(P)Ilhas de Lixo: o nascimento de um país

Em novo esforço para despertar consciência ambiental, movimento pleiteia o direito de transformar em país uma pilha de lixo do tamanho da França, que flutua no Oceano Pacífico

Por Vinicius Gomes Melo

Al Gore. Ex-vice-e-ex-futuro-presidente dos Estados Unidos é o primeiro cidadão reconhecido das Trash Isles, ou Ilhas de Lixo, ou (P)ilhas de Lixo (nunca um trocadilho foi tão fácil de fazer numa tradução para português).

No mínimo, ele é o primeiro com passaporte entre as mais de 100 mil pessoas que subscreveram seu desejo de receber a cidadania da pilha de lixo do tamanho da França que boia no Pacífico Norte, próximo ao Havaí. Continuar lendo

Algo estranho na “terra da liberdade”

Amy Goodman, no programa de TV e rádio "Democracy Now"

Amy Goodman, no programa de TV e rádio “Democracy Now”: ameaçada de prisão

EUA mantêm presos dezenas de “protetores” que lutam pacificamente contra oleoduto em terras indígenas. Promotor tenta encarcerar jornalistas por defenderem os que se manifestam

Por Vinicius Gomes Melo

Ainda era uma madrugada fria dessa segunda-feira na Dakota do Norte, estado norte-americano que faz fronteira com o Canadá, quando a jornalista Amy Goodman, principal voz e rosto do Democracy Now!, começou sua reportagem:

“Estamos transmitindo ao vivo de Manda, Dakota do Norte, de frente a corte do condado de Morton, onde várias pessoas aparecerão hoje para enfrentar acusações relacionadas às manifestações de resistência à construção do oleoduto de 3,8 bilhões de dólares da Dakota Access. Dezenas de pessoas que se autodenominam protetoras, e não manifestantes, foram presas nos últimos meses por fazerem oposição à construção do oleoduto […] O condado de Morton também expediu um mandado de prisão para mim, em 8 de setembro, cinco dias depois de o Democracy Now! reportar em vídeo, os guardas da empresa de segurança do oleoduto agredirem fisicamente os protetores pacíficos, em sua maioria nativo-americanos, atacando-os com spray de pimenta e com cachorros. Um deles foi visto com sangue pingando de seu focinho e boca”.

A jornalista encerrou sua transmissão dizendo que compareceria à corte e desafiaria a acusação. O caso Dakota do Norte v.s. Amy Goodman baseia-se na cobertura que o site Democracy Now! fez sobre os protestos contra o oleoduto, em 3 de setembro, e o consequente ataque dos seguranças contratados pela companhia proprietária do oleoduto contra os manifestantes pacíficos. Continuar lendo